Em doze anos frota de veículos cresce 52% e a população 13% em Mairiporã

CENSO IBGE

A divulgação dos novos dados do Censo Demográfico de 2022, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o aumento da frota de veículos em Mairiporã foi duas vezes maior que o crescimento populacional. Nos últimos 12 anos o município ganhou 2,2 veículos para cada novo habitante.

Entre 2010 e 2022, a frota registrou aumento de 52,3%, passando de 30.837 para 58.931 veículos, entre carros, caminhões, ônibus, motocicletas, etc. Em números absolutos, 28.094 unidades a mais circulam pela cidade.

Por outro lado, o total de habitantes em Mairiporã cresceu 13,6%, com 12.661 novos moradores, de acordo com os resultados do Censo 2022, divulgado no dia 28 de junho último. Nele, Mairiporã aparece com 93.617 habitantes, ante 80.956 registrados no Censo de 2010.

Maioria – A frota de automóveis é maioria entre os veículos automotores, com aumento de 53,1%, passando de 19.123 (em 2010) para 35.952 no ano passado. As motocicletas aparecem a seguir, com um aumento ainda maior, de 56,3%, saltando das 5.305 unidades em 2010, para 9.422 no final do ano passado.

Juntos, esses dois tipos de veículos respondem por 76,9% da frota da cidade.

Desenvolvimento – Especialistas em mobilidade urbana ouvidos pela reportagem, consideram que se o crescimento da frota, por um lado, reflete positivamente no desenvolvimento de Mairiporã, olhado do ponto de vista econômico, por outro causa preocupação, pelo fato do transporte individual motorizado representar 42% dos deslocamentos diários, enquanto o transporte coletivo responde por apenas 26% e outros 32% andam a pé o outro meio de transporte não motorizado.

Sustentável – Os especialistas também chamam a atenção para o problema do sistema viário da cidade, diminuto, e que pode ganhar um fôlego com o anúncio da construção da nova avenida, mas que em pouco tempo se mostrará saturado. Ainda assim, elogiam a iniciativa do governo municipal, que vai dar um alívio ao trânsito na região central.

De modo geral, no entanto, com poucas e estreitas vias, todas do início do século passado, o aumento da frota é a constante preocupação e que o caminho para uma cidade planejada e sustentável vai, obrigatoriamente, passar pela mudança de comportamento das pessoas, o que exige a oferta de um transporte coletivo com mais qualidade e eficiente e alternativas modais, como a bicicleta. (Salvador José/CJ – Foto: Rodovia Luiz Chamma/Reprodução)