Cidades da região discutem privatização da Sabesp com o Governo do Estado

O governador Tarcísio de Freitas esteve reunido desde o início desta semana com 26 prefeitos da Grande São Paulo e de cidades das regiões do Alto Tietê e Bragança Paulista, para tratar da privatização da Sabesp.

O governo informou que os encontros foram pautados por “discussões sobre a ampliação da universalização do saneamento no Estado de São Paulo e os benefícios para a população a partir do processo de privatização da Sabesp”.

Apoio dos prefeitos – A decisão de privatizar a Sabesp passará pelo crivo da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que pode aprovar ou arquivar o projeto de lei que Tarcísio deve apresentar, no mais tardar, até o começo do ano que vem.

No entanto, as prefeituras têm papel decisivo na questão, pois a companhia tem contratos diretos com os entes municipais e muitos desses documentos têm cláusulas antiprivatização, que precisam ser derrubadas caso a proposta de privatização da Sabesp – uma das maiores bandeiras da campanha de Tarcísio – seja aprovada.

Além disso, as cidades paulistas recebem repasses sobre os lucros da companhia. O manejo dessa verba é outra moeda de troca que pode ser usada por Tarcísio nas negociações em busca de apoio ao seu projeto de desestatização.

Mairiporã – O prefeito Aladim compareceu, juntamente com os demais prefeitos da Região do Cimbaju, e durante a conversa falou dos investimentos em água e esgoto que estão previstos para Mairiporã e ouviu do governador que o prazo para execução de inúmeras obras da Sabesp foram antecipadas de 2033 para 2029 em nossa cidade, quando terá alcançado 100% de saneamento básico.

O governador, por sua vez, enfatizou os benefícios que a desestatização da Sabesp vai trazer aos municípios e que isso vai acelerar o processo de universalização do acesso à água no Estado. Prometeu que até 2029 a extensão de rede de água será levada a todos os bairros de Mairiporã. (Salvador José/CJ)