Audiência do ‘Correio’ ladeira acima

Na última semana foi publicado a respeito da ampliação da audiência e elevado número de acessos às páginas do Correio Juquery. Segundo dados do próprio Google, os dados representam recordes e explicam um fenômeno do qual eu tenho uma teoria. Um dos lados bons de ser colunista é a liberdade para tratar diversos assuntos, o que também é uma baita responsabilidade. Eu poderia, caro leitor, ligar essa grande audiência a minha colaboração ao escrever estes textos semanalmente, mas é claro, estaria sendo mentiroso, já que tenho certeza de que não se trata disso. Não ria por favor, talvez eu esteja em uma semana de auto estima também em crescimento.

Penso que a versão online que chega já na sexta em nossos aparelhos celulares seja um grande trampolim para a ampliação da visualização, mas o que realmente garante o maior interesse é que temos muitos assuntos. Isso mesmo, da mesma forma que um bate papo fica gostoso quando há do que conversar, as publicações têm chegado recheadas de novidades. Muita coisa está acontecendo na cidade e muito rápido.

A credibilidade de anos, quando observamos o histórico deste periódico, também garante o interesse das pessoas. Me lembrei de quando o Correio publicou em 2020 a pesquisa com os números da eleição municipal. Coloquei o link em um grupo do whatsapp e logo arrumei um atrito com um discordante. Na segunda-feira subsequente ao pleito e confirmada a veracidade da pesquisa no resultado final, fiz questão de colocar a imagem no mesmo grupo e desta vez instaurou-se um grande silêncio.

Nos tempos do ensino médio, eu tinha a ideia de cursar Jornalismo. Mudei de opinião durante as aulas do professor Fernando, que nos ensinava história na época. Acabei migrando para o superior em Letras, mas anos depois acabei conseguindo o registro profissional e atingindo o acesso aos direitos que são específicos desta categoria. Espero estar fazendo jus a esse reconhecimento que veio em forma de documento, mas que sempre esteve intrínseco em tudo que eu fazia de melhor, pois sempre gostei de deixar umas palavras anotadas em algum caderno e na minha casa não faltaram folhas.

Hoje, minhas palavras eu deixo esquecidas em um e-mail para depois com prazer ver impressas no papel característico com cheirinho de notícia e todo mundo pegando no supermercado sábado pela manhã.

Deixo aqui para finalizar um spoiler de uma novidade que vem chegando por aí. Muitas informações do Correio virão também na forma audiovisual. Nos tempos de podcasts e tik toks, chegarão até nós assuntos para serem vistos e ouvidos também nas telinhas dos vossos smartphones e computadores. Estou ansioso, já que não há nada melhor do que estar bem informado.

Gratidão aos leitores e como é bom cruzar com eles por aí sem que seja esperado e ter a grata surpresa de ser lido e desta forma chegar ao coração de quem não imaginamos.

 

Luís Alberto de Moraes – @luis.alb – Autor do livro “Costurando o Tempo – dos Caminhos que Passei”