Em votação unânime, Câmara aprova lei do nepotismo

Vereador Wilson Sorriso (PSC), autor do projeto aprovado na terça-feira

EMPREGAR familiares e parentes até terceiro grau em cargos de comissão na Prefeitura, Câmara e Terceiro Setor (entidades que recebem dinheiro público) em Mairiporã passou a ser proibido por lei, aprovada na sessão de terça-feira, 11, em votação unânime. A propositura foi do parlamentar Wilson Sorriso (PSC).
O voto de todos os verreadores, no entanto, segundo analistas, se deu em virtude de 2020 ser um ano eleitoral, o que poderia arranhar a imagem dos vereadores que votassem contra, como é o caso de seis deles que ainda mantém estreito vínculo com o prefeito. Se a projeto tivesse sido levado a votação no ano passado, quando o Executivo contava com folgada maioria em sua base de apoio, não seria aprovado.
Uma vez proibida a nomeação de funcionários comissionados, os que ainda estiverem na função no serviço público municipal terão que ser exonerados. O mesmo vale para parentes e familiares de vereadores com empregos no Terceiro Setor (entidades assistenciais e filantrópicas que recebem verba da Prefeitura), que deverão ser demitidos.
O resultado em plenário foi mais uma derrota imposta ao prefeito Antônio Aiacyda, após a mudança na configuração de forças dos dois grupos existentes, em que perdeu a maioria confortável que possuía.
Saída – A primeira dama, que ocupava o cargo de secretária do Desenvolvimento Social, de janeiro de 2017 até o final do ano passado, prevendo que a lei seria aprovada, segundo disseram pessoas próximas, pediu demissão.
Há, no entanto, outros parentes nomeados, de segundo e terceiro graus, ainda nas funções, que estão impedidos a partir de agora por força da lei.

Comentários