Coluna do Correio

FRASE

” A vagabundagem da nossa classe política está afundando e atrasando a cidade.” (Doriedson de Freitas, vereador de Mairiporã)

OPINIÃO PÚBLICA

A maioria dos vereadores que quiser se salvar deve, rapidamente, se alinhar ao clamor da população e instalar CEIs que foram barradas quando o prefeito detinha maioria parlamentar submissa às suas vontades. Temas não vão faltar para que se investigue o prefeito, nem vão faltar número de assinaturas necessárias. Salvar o mandato implica em atuar de forma transparente e se mostrar verdadeiro ‘representante’ da sociedade. Não é recomendável, nesta altura do jogo (eleitoral), a maioria do Legislativo fazer cara de paisagem com uma série de questões que envolvem o prefeito.

BACIADAS

Decisões e ações do prefeito ao longo dos três anos de mandato já cumpridos são encontradas às baciadas para que se abram várias CEIs. Apenas alguns dos temas: secretária da Saúde em dois empregos no mesmo dia e hora (denúncia do vereador Wilson Sorriso) e imóvel alugado no bairro do Mato Dentro para ser uma escola que nunca foi instalada, mas aluguel regiamente pago durante a validade do contrato (também denúncia de Wilson Sorriso). Além, claro, do pedido que foi protocolado no final do ano passado, pelo vereador Doriedson, sobre investigação acerca de uma empresa de coleta lixo que abandonou o serviço com a complacência da Prefeitura.

SEM COLIGAÇÃO

As conversas sobre política pelos quatro cantos da cidade é uma só: vão sobrar vereadores fora do baile em 2021. Tradução literal: não vão se reeleger, especialmente por conta da inexistência da coligaçao. Durante mais de três anos boa parcela dos parlamentares ‘deitou e rolou’ e foi além, aprovou tudo o que o Executivo quis. Ou seria determinou? A conta vem agora, nas eleições de outubro. E o preço é alto.

CORRERIA

Quem imagina que os chamados partidos ‘nanicos’ estão quietos, se engana. Estão todos correndo atrás de nomes para formar nas chapas de candidato a vereador. Pelo menos quatro, que mantiveram contato com esta coluna, estão próximos de fechar as 14 vagas para homens e 6 para mulheres, como reza a lei. Briga boa em outubro e cadeiras da Câmara nunca valorizadas como agora.

MALA E CUIA

Comentários nos corredores da Câmara apontam que pelo menos seis vereadores (praticamente a metade) estão de mala e cuia prontas para mudar de partido. Permanecer nas atuais siglas é suicídio. Mas não se descarta um aumento nesse número de descontentes e desejosos por novas ares. O que convenhamos, é conversa mole. Querem mesmo condições para a reeleição.

PRÓPRIO VENENO

O prefeito Aiacyda tem sido muito criticado (para não dizer esculhambado) nas redes sociais. Sem dó, nem piedade. Igualzinho fez, através de seus correligionários, a Márcio Pampuri no pleito de 2016. Chegou a vez de beber do próprio veneno.

PESQUISAS

Uma série de pesquisas tem rodado a cidade. Umas confiáveis, outras não. O resultado, no entanto, é bem próximo em todas elas. Se alguém quiser levá-las a conhecimento público, tem que efetuar o competente registro no cartório eleitoral.

ALIANÇA

Rolou nas redes sociais a informação que o novo partido do presidente Jair Bolsonaro está sendo organizado na cidade. Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, ou seja, quem se filiar não disputa as eleições deste ano. O ‘Aliança pelo Brasil’ ainda tem longo caminho a trilhar até conseguir registro no Tribunal Superior Eleitoral.

PELA METADE

O governo municipal fez ampla publicidade de um novo ponto de ônibus instalado na rotatória de acesso à cidade. Como sempre, faz muito barulho por nada. Deveria aproveitar a oportunidade e arrumar o pavimento asfáltico defronte ao ponto, que além de buracos, tem uma cratera próxima à sarjeta. Quando chove e o ônibus chega ao local, molha os passageiros e até quem está lá no Rio Acima. Se for asfaltar, que o pavimento dure pelo menos um ano. Como na maioria das vezes, a atual administração faz coisas pela metade.

NA FILA

Parentada e familiares de vereadores que estão em empregos no Terceiro Setor (órgãos assistenciais, filantrópicos e hospitalares) vão engrossar a fila do desemprego. A lei do nepotismo, aprovada esta semana, impede a nomeação. E o amigo leitor pode apostar, tem muita gente ‘mamando’ nessas instituições, há um bom tempo. O cobertor vai ficar mais curto na casa do vereador que tem familiar nessa situação.

VERGONHA

Uma vergonha sem tamanho as famílias que precisam trabalhar para o sustento de suas casas, estarem impedidas por falta de vagas em creches. São 800 crianças fora dessas unidades. E o pior é que ninguém faz nada. O Ministério Público poderia, pelo menos, questionar os responsáveis.

SEMÁFOROS

Se verdadeiros os comentários pela cidade sobre a propositura de se abrir uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) sobre os semáforos, será um avanço dos vereadores e a tão esperada prestação de conta desse equipamento à população. Gasto absurdo (pouco menos ou mais de R$ 500 mil) com uma engenhoca que sabia-se, desde 1993, que não ia dar certo, como não deu. Mas também é verdade que semáforos apagados nos últimos dois meses ajudaram o tráfego a fluir com maior rapidez, a evitar engarrafamentos não só na Tabelião Passarella, mas também em outras vias da região central e a reduzir o estresse dos motoristas. Quem sugeriu ou planejou semáforos na única e principal avenida da cidade, deve ter se diplomado na Faculdade de Armas e Munições de Uberaba. O prefeito tem que responder pelos R$ 500 mil gastos com as engenhocas.

Comentários