Desemprego na construção civil e no comércio em Mairiporã é preocupante

NOS ÚLTIMOS 12 meses (março/18 a março/19), Mairiporã perdeu 58 empregos na construção civil e mais 110 no comércio, de acordo com dados do Cadastro de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. No período foram contratados 110 trabalhadores na construção e dispensados 168, enquanto no comércio as admissões somaram 1.014 e as demissões 1.124.
É um cenário que contrasta com o início da década, quando o número de contratações superava o de demissões. A situação é grave, segundo o Sindicato dos alertou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de São Paulo. Segundo a entidade, mesmo com anúncio de novos investimentos no setor imobiliário, o número de contratações foi reduzido e, para agravar o quadro, empresas contratam mão de obra de outras cidades para trabalhar no município. “Até mesmo as chamadas pequenas reformas [em residências], que também garantiam o emprego de muitos trabalhadores, acabaram. Quem atua no setor da construção civil tem hoje muita dificuldade de garantir o seu sustento”, diz a nota.
O Sindicato diz que não há medidas em discussão no momento para que a situação seja revertida. “Isso é ruim, porque uma iniciativa para recuperar esse mercado, se tomada hoje, somente surtirá efeitos mais tarde. Houve um tempo que a economia deu uma desacelerada, mas os chamados bicos mantinham os empregos.”
Comércio – No caso específico do comércio, o primeiro semestre é de desaceleração nas admissões. Em Mairiporã, no entanto, as demissões têm sido bem maiores, quadro que se mantém há pelo menos dois anos. Em novembro e dezembro do ano passado as contratações temporárias também ficaram abaixo do esperado, e não houve a efetivação esperada a partir de janeiro.

Comentários