Mudança em rótulo de alimento é ‘questão de anos’, diz novo presidente da Anvisa

INDICADO pelo presidente Michel Temer para a presidência da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o médico e ex-deputado William Dib defende que a agência volte a analisar propostas de alertas em rótulos de alimentos com cores verde, amarela e vermelha conforme o teor de sal, açúcar e gorduras – semelhante ao modelo defendido pela indústria. Até então, esse modelo havia sido descartado por técnicos da agência. Para Dib, a troca de relator da proposta traz um novo cenário.
“Estamos em um País democrático e livre. Defendo o direito de discutir essa ideia. A consulta pública ocorrerá, gostem do amarelo ou não.” Segundo ele, uma mudança na rotulagem é “questão de anos, não de meses”. Em outra frente, Dib  diz que, após atrasos, a agência deve começar discutir ainda neste ano uma proposta para regulamentação do cultivo da maconha. O debate, porém, deve valer inicialmente apenas para fins de pesquisa científica.
Seu antecessor, Jarbas Barbosa, chegou a dizer que a agência previa incluir na proposta uma regulação para uso medicinal, por meio de empresas ou parcerias entre universidades e associações de pacientes, por exemplo. “Fizemos uma proposta de iniciativa. Isso está na diretoria de regulamentação para análise, e depois deve ir para a diretoria. Mas só para fins de pesquisa científica. Não há nenhum outro fato por enquanto, nem consumo, nem uso medicinal”, disse à reportagem.
Questionado sobre quais serão suas propostas à frente da agência, Dib afirmou que pretende investir em tecnologia da informação para monitoramento de produtos que já estão no mercado.
Para ele, a agência também deve à sociedade uma discussão sobre a regulamentação dos cigarros eletrônicos. “Não podemos fingir que isso não existe ou que não está, por meios eletrônicos, sendo vendido em vários pontos do país. Eu acho que a Anvisa precisa ter uma resposta”, afirmou. Ele evitou, no entanto, posicionar-se sobre uma eventual liberação desses produtos, vetados pela agência desde 2009.

Comentários