Lista de espera por vaga em creche chega a 600 crianças

EM JULHO deste ano a lista de espera por vagas em creche em Mairiporã tinha mais de 400 crianças. Os dados eram da Imprensa Oficial do Município. Esta semana, também de acordo com a publicação do órgão, o número aumentou em 50% e está próximo de 600 menores. Ou seja, a Prefeitura não criou nenhuma vaga no período.
Educação é um direito da criança, porém o governo não oferece políticas públicas que garantam o acesso a ele. As famílias ficam reféns de instituições privadas, tira dos pais o direito de trabalhar e não atende justamente as famílias mais pobres. É o que se pode deduzir dos números divulgados.
Na região central da cidade são 267 menores em busca de uma creche, mais 244 no distrito de Terra Preta, 41 na região do Jardim Spada e outras 35 no Parque Petrópolis. Esses números totalizam 587 crianças que são obrigadas a ficar em casa.
A tendência, segundo especialistas no assunto, é que esse número cresça rapidamente e chegue, ao final do ano, a lista chegue a 800 vagas que não existem.
Pais – Nos últimos meses o número de pais que reclamam da falta de oferta de vagas em creches tem aumentado. “É impossível prover a casa se não posso trabalhar porque não tem vaga na creche para meus dois filhos pequenos. Só resta a alternativa de arrumar quem tome conta das crianças, mas aí é um gasto que não posso ter”, disse uma moradora do Jardim Spada, que pediu para não ser identificada.
Na região central, uma moradora que conversou com a reportagem em julho, voltou a dizer que muitas crianças precisam da creche também para alimentação. “Já disse e repito, não é vergonha cobrar, pois é a realidade que vivemos. As crianças não podem ficar sem comer e sem um local adequado que permita aos pais trabalharem para o sustento da família”, disse.
Esclarecimentos – A Prefeitura não fala sobre o assunto e não esclarece nada sobre planos para reduzir o número de falta de vagas. Limita-se a publicar, por determinação de lei, a lista de crianças que aguardam pelas vagas.
Têm direito as crianças nascidas a partir de julho de 2017 (Berçário I); nascidas entre julho de 2016 a junho de 2017 (Berçário II); nascidas de julho de 2015 a junho de 2016 (Maternal I) e nascidas de julho de 2014 a junho de 2015 (Maternal II).

Comentários