Voto feminino pode decidir eleições; em Mairiporã são 51,45% eleitoras

MAIORIA no colégio eleitoral brasileiro, boa parcela das mulheres ainda não sabe em quem votar para presidente em 7 de outubro. Mas uma coisa é certa: serão decisivas no pleito deste ano, segundo analistas. O grande número de indecisas torna a disputa ainda mais acirrada.
De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Brasil possui 77.339.897 mulheres aptas a votar, o que representa 52,3% do eleitorado. Em Mairiporã há 31.531 mulheres aptas a votar, o equivalente a 51,45% do total.
Além de ser maioria, o público feminino é mais indeciso neste momento. De acordo com as últimas pesquisas de pelo menos dois institutos, na média entre 22% e 25% das mulheres declararam que ainda não escolheram o candidato a presidente da República ou que irão votar em branco ou nulo. Entre os homens, o índice é de 12%.
Disputa acirrada – Os primeiros colocados nas pesquisas estão próximos, assim como no 2º turno, e a proporção de mulheres indecisas é maior. Elas decidirem mais perto da eleição faz com que o voto seja mais influente”, apontam especialistas em pesquisa eleitoral.
Segundo eles, a indefinição a esta altura da campanha é consequência do distanciamento das mulheres do processo político, do maior senso crítico para escolha dos candidatos e da falta de representatividade.
“Por terem uma preocupação social e econômica mais ampla, pensando no futuro de profissão, filhos e família, as mulheres se desencantaram mais com a política. Entretanto, tal desencantamento pode ser motivo de maior engajamento para garantir que as mudanças realmente se efetivem na política”, dizem os especialistas.
Mais candidatas – De olho no eleitorado feminino, candidatos colocaram mulheres como vices. O pleito de 2018 tem o maior número de substitutas da história. São cinco entre as 13 candidaturas à Presidência. Há ainda duas candidatas: Marina Silva (REDE) e Vera Lucia (PSTU).
Saúde, Educação e proteção às mulheres estão entre as prioridades no processo de definição do voto do eleitorado feminino.

Comentários