Rasgo de lucidez

Raras vezes, raríssimas mesmo, um vereador sobe à tribuna da Câmara para pronunciamento lúcido, real, por que não dizer até corajoso? Foi o que fez Ricardo Vieira na volta dos trabalhos legislativos na terça-feira. É bom repetir, um rasgo de lucidez.
Jogou na cara de todos os demais vereadores que a Câmara não pode fazer nada, absolutamente nada para melhorar a cidade e citou quase uma dezena de questões que já poderiam ter sido resolvidas. Isso significa que a gestão do prefeito não é boa ou, no mínimo, falta vontade política de realizar. Disse mais, que não adiantam discursos e mais discursos, pois falatório não soluciona problemas.
Em sua essência, a crítica expressa do parlamentar é aquilo que a população quer ouvir, que os políticos deveriam dizer e, mais que isso, cobrar o Executivo nas ações aguardadas e que vão muito além de falatórios empolados de todas as terças. Dois temas abordados remetem a problemas sem nenhuma perspectiva de solução: saúde e saneamento básico. Cobrou clara e abertamente o Executivo como que a dizer que nada é feito e que todos (Legislativo), de uma maneira ou outra, só sabem dizer amém.
No mínimo foi corajoso em dizer não só aquilo que pensa, mas aquilo que a população quer ouvir de um representante eleito por ela. De certo modo, fez um desabafo sobre o desalento que toma conta da cidade, sem esperança de que alguém (leia-se o prefeito) tenha a visão de resolver o que precisa ser resolvido e pensar mais adiante, quando a cidade terá uma população muito além daquilo que a Prefeitura poderá oferecer em infraestrutura. Em bom português: soluções de menos e problemas cada vez maiores.
Centenas de vezes, em editorial, acentuamos que o chefe do Executivo não é gestor, nem administrador, é apenas político com visão estreita do que venha ser governar. O discurso de Ricardo Vieira cobra não só o prefeito, mas também seus pares, que vivem de discursos eloquentes, cobranças inócuas, como a que fizeram durante toda a sessão: a Sabesp. Faz quarenta anos que a concessionária dos serviços de água e esgoto faz o que bem entende na cidade. Os vereadores sabem disso, mas é conveniente não ir além dos discursos.
Se Ricardo Vieira vai seguir nessa linha, não se sabe. Mas por hora, foi lúcido na avaliação de governo letárgico e um legislativo complacente.

Comentários