Vacinação contra a pólio começa 6 de agosto

A CAMPANHA Nacional de Vacinação contra a Poliomielite (paralisia infantil) começa no próximo dia 6 de agosto e vai até 27 do mesmo mês. Com a identificação de casos ocorridos na Venezuela, o Ministério da Saúde enviou nota de alerta para Estados e Municípios sobre a importância de se alcançar e manter a cobertura maior ou igual a 95%, além da necessidade de notificação e investigação imediata de todo caso de paralisia flácida aguda que apresente início súbito em indivíduos menores de 15 anos.
Há duas semanas o Ministério divulgou lista com 312 municípios do País que estão com cobertura vacinal abaixo de 50% para a poliomielite. Mairiporã aparece entre os 44 municípios do Estado de São Paulo que não alcançaram nem 50% da cobertura. A cidade, segundo a lista, vacinou apenas 41,99%. A Secretaria Municipal de Saúde não divulgou nota para explicar a baixa cobertura, nem contestar os dados do Ministério. Foi a única cidade da região a aparecer com menos de 50% de crianças imunizadas contra a paralisia infantil.
De acordo com a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI), Carla Domingues, há risco para todos os municípios que estão com coberturas abaixo de 95%. E a vacinação é a única forma de prevenção da poliomielite e de outras doenças que não circulam mais no País. Todas as crianças menores de 5 anos de idade devem ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual.
Cobertura – Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que, atualmente, a cobertura vacinal no Brasil contra a poliomielite é de 77% e ressalta que a vacinação é de extrema importância para manter o país livre da circulação de poliovírus.
O governo brasileiro reforçou que as vacinas que integram o Calendário Nacional de Vacinação são seguras e eficazes. O esquema vacinal da poliomielite é composto por três doses da vacina inativada (injetável), administradas aos dois, quatro e seis meses. Aos 15 meses e aos 4 anos, a criança recebe a vacina oral.

Comentários