177 dias

Quase meio ano! Isso mesmo, cento e setenta e sete dias de trabalho são necessários para que os brasileiros paguem a carga tributária. São cinco meses e dois dias de labuta, só para arcar com o pagamento de taxas e impostos. O cálculo, que é assustador, foi feito pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação). Trata-se do dobro de tempo estimado durante a década de 1970. A mordida do Imposto de Renda na faixa salarial entre R$ 3.000 e R$ 10.000, por exemplo, compromete até 44,5% da renda. É muita coisa.
Durante todos os 365 dias do ano passado, os mairiporanenses pagaram R$ 59,8 milhões em impostos, o que deu uma média de impressionantes R$ 163 mil por dia. Na comparação com o que foi pago em 2016, os moradores da cidade desembolsaram R$ 2,4 milhões a mais, alta de quase 5%, o dobro da inflação no período. Os números são do Impostômetro, serviço da Associação Comercial de São Paulo, e corresponde ao total de tributos pagos pela população, incluindo taxas, contribuições e impostos.
Diante dessa montanha de dinheiro a pergunta é inevitável: por que pagamos impostos? A resposta deveria ser para investir em serviços que beneficiem o povo, como educação, habitação, segurança pública e, principalmente, saúde. E de qualidade.
Mas não é isso o que acontece. O que se viu nos últimos tempos foram serviços de péssima qualidade (quando ofertados), escolas e hospitais precários, insegurança generalizada, saneamento básico em pequena escala, uma mar de trabalhadores desempregados, enfim, um crime contra a cidadania.
Sem entrar no mérito da roubalheira desenfreada que os políticos praticam como se fosse hobby, os governos ainda têm a cara de pau de dizer que não há dinheiro em caixa. Em Mairiporã, por exemplo, o prefeito é useiro e vezeiro em dizer que não há recursos e que por isso não pode fazer nada. Aí a saída é elevar a carga tributária, como fez no final do ano passado, ao brindar a população com ‘míseros’ 40% de aumento na taxa de lixo, que virá inclusa no carnê do IPTU.
Ainda de acordo com a pesquisa do IBPT, a corrupção consome 29 dias de trabalho de cada brasileiro. Quase um mês!
Isso pode mudar? Pergunta difícil. Por enquanto, a conta fica mesmo na sua mão, caro contribuinte.

Comentários