Coluna do Correio 30/6/2017

FRASE
“Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua ausência seja sentida.” (Bob Marley, cantor e compositor jamaicano)

AGASALHO
Em Atibaia, alunos das escolas municipais participaram ativamente das primeiras semanas da Campanha do Agasalho 2017. Em Bragança Paulista, soldados do Tiro de Guerra e integrantes do grupo de escoteiros da cidade realizam coleta diária denominada ‘porta a porta’. Tudo para que o resultado seja o melhor possível, capaz de atender a todas as famílias carentes das duas cidades. Em Mairiporã, a campanha ficou restrita a ‘noite do caldo’, cuja arrecadação vai ser utilizada na compra de cobertores, e caixas de coleta espalhadas por estabelecimentos comerciais. Nada mais. Ou seja, muito pouco para quem quer de fato atender às necessidades dos mais pobres na estação mais fria do ano. É preciso mais que isso. É preciso sair da zona de conforto com que a Secretaria de Desenvolvimento Social se encontra há muitos anos.

CANDIDATOS (I)
A conversa nos bastidores políticos, ainda que seja cedo para se discutir a sucessão municipal, esquentou por conta do anúncio do PV, de que vai investir no vereador Nil Dantas para disputar o Palácio Tibiriçá em 2020. Além dele, o ex-vereador Aladim já trabalha nesse sentido. Ambos, Nil e Aladim, vão estrear nas eleições do ano que vem tentando vaga de deputado estadual e federal, respectivamente, em clara estratégia de preparar terreno para o pleito municipal. Diante desse cenário, existe a possibilidade do prefeito Aiacyda lançar o filho, atual secretário municipal de Obras, primeiro como candidato a deputado federal e, em 2020, a ser o seu sucessor. O cenário atual, no entanto, não é favorável ao prefeito.
CANDIDATOS (II)
Ainda que por vias tortas, embora não haja convicção política, os partidos começam a acordar para a realidade. Deixar de lado os aventureiros e paraquedistas já é um bom começo, muito embora a maioria (vereadores, ex-vereadores, prefeito e ex-prefeitos) vá aparecer, no ano que vem, trabalhando por espertalhões que daqui levam os votos e em troca dão uma ‘banana’.
APOIOS
A ‘turma’ que ficou fora do baile depois das eleições do ano passado, começa a se dividir em torno de Aladim e Nil Dantas. A promessa é de que emprestar, cada um a seu modo, apoio incondicional na disputa de 2018 e também na de 2020. Medrosos e silenciosos, vereadores que não gozam da intimidade do principal gabinete do Palácio Tibiriçá já ensaiam apoiar os futuros prefeituráveis.
RECURSOS
A respeito dos espertalhões, o artigo do colunista Ozório Mendes, na semana passada, foi oportuníssimo ao cobrar do prefeito que busque junto aos seus amigos Geraldo Alckmin (governador), Miguel Haddad (deputado federal) e Fernando Capez (deputado estadual), os recursos necessários para fazer funcionar o Hospital Anjo Gabriel. Só para lembrar, os dois deputados foram os mais votados nas eleições de 2014 em Mairiporã, com a ajuda do então ‘cabo eleitoral’ Aiacyda. Portanto, nada mais justo que cobrar deles o envio de recursos destinados à instituição hospitalar. É bom lembrar que nenhum dos dois (Haddad e Capez) através de emendas parlamentares, desde que empossados em 2015, enviaram um mísero centavo à cidade.
PROJETOS (I)
Nos primeiros seis meses da atual legislatura a produção de projetos foi pífia. Seis foram votados, todos considerados como ‘perfumaria’, ou seja, não fedem nem cheiram. Dois de denominação (prédio e rua), um de evento incluso no calendário oficial (importantíssima e vital corrida de carrinhos de rolimã), o que nos remete a pensar como foi possível a cidade viver até hoje sem essa competição, e a criação da rua sem lixo. Outros dois foram de concessão de ‘honrarias’ (título de cidadão e medalha e diploma). No caso da rua sem lixo, com uma política ambiental ridícula e apenas 30% de coleta de esgoto, é até hilariante imaginar como isso se dará.
PROJETOS (II)
Com a aproximação do pleito eleitoral, quando os políticos caras-de-pau, com a ajuda dos políticos caras-de-pau da cidade vão buscar o voto dos incautos, que em Mairiporã não é pouca coisa, os vereadores se preparam para uma enxurrada de títulos de cidadania, que vão ser ofertados, como sempre, sem nenhuma meritocracia. É esperar para conferir.
PROJETOS (III)
Campeão de projetos durante seu mandato como presidente da Câmara, Marcinho da Serra passou em branco no primeiro semestre. Um contraste e tanto se comparado à performance do ano passado. Não é nem a sombra do que foi. Hoje, limita-se a apresentação de requerimentos. O esquisito nesse cenário, é que ele não é aceito pelo prefeito, a quem quis cassar os direitos políticos em 2016, nem tem coragem de ser oposição.
APROVADO
Como era de se esperar, os vereadores aprovaram sem discussões o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), instrumento que vai balizar a elaboração do projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), que estimará receitas e fixará despesas para o ano que vem. Verdade seja dita: ninguém entende bulhufas sobre o assunto. Mas vota-se assim mesmo.
TRANSPARÊNCIA
O presidente da Câmara, vereador Marco Antônio, por dever de ofício, tem a obrigação de determinar a transmissão pela TV Câmara, ao vivo, e depois disponibilizar o vídeo, das reuniões das comissões permanentes, que emitem pareceres sobre os projetos que serão votados, e também da Comissão de Assuntos Relevantes. Sem a transmissão parece ‘ação entre amigos’. É preciso transparência em tudo aquilo que disser respeito aos ‘representantes’ do povo.
MAGOADO
O vereador Wilson Sorriso começou a fazer barulho em relação ao governo. Na última sessão, ao discursar, se disse magoado com a má vontade da Prefeitura em atender suas reivindicações, e também por parte do funcionalismo público, depois de denunciou práticas que considerava lesivas aos interesses da população. Pelo andar da carruagem, o parlamentar será o primeiro e ingressar, se é que já não o fez, na oposição. Outros, por medo ou pela manutenção das ‘boquinhas’ no quadro de comissionados, seguem calados.
MOBILIDADE (I)
A elevação da Coordenadoria de Segurança e Mobilidade Urbana à condição de Secretaria nada mudou em relação aos problemas do trânsito na cidade. A recuperação de vias está paralisada, a sinalização é precária, projetos para melhorar a mobilidade não existem (se há estão em alguma gaveta) e até a Zona Azul parou, por falta de talonários. Esse cenário repete-se a cada chuva de verão. Até agora, apenas a promessa do secretário da pasta, que em discurso na Câmara disse que está estudando e elaborando projetos. Tudo bem que devam existir estudos para que o planejamento seja feito como se deve. Porém, ações simples, que necessitam apenas de bom senso, poderiam já ter sido tomadas.
MOBILIDADE (II)
A pasta da Segurança deveria investir mais em campanhas de conscientização destinadas a motoristas e pedestres, pois boa parte deles não tem educação e não respeita as leis de trânsito. Mas campanhas de cunho permanente, não apenas no Dia Nacional do Trânsito.
MOBILIDADE (III)
Acerca da elaboração de planos de mobilidade urbana, fica a pergunta: que fim levou o plano discutido na ACE (Associação Comercial e Empresarial) em 2015, contratado pelo prefeito Márcio Pampuri? Sabe-se que ele não foi feito gratuitamente. Como não foi implantado, seria oportuno que o atual governo dissesse que fim levou aquele trabalho, que foi pago com dinheiro público, e se pode ser aproveitado.
SEGURANÇA
O assunto segurança também tem incomodado a população. O número de furtos e roubos (incluam-se o de veículos e cargas) cresce a cada divulgação das estatísticas. As promessas de que o efetivo policial vai ser ampliado não se concretizam. O Conseg, todos os meses, faz essa cobrança, porém as autoridades do município nada conseguem. De se imaginar o que aconteceria com a segurança da cidade se o governo municipal (PSDB), do mesmo partido do governador do Estado, fosse do PT, por exemplo.
COBRANÇA (I)
O vereador Chinão Ruiz, em pronunciamento na Câmara, disse que a Prefeitura não divulga como deveria o Refis municipal, que busca receber o máximo possível de tributos que foram inscritos em dívida ativa, ou seja, não foram pagos. Além do prefeito, o vereador também deveria estender a cobrança à Assessoria de Imprensa da Prefeitura, que finge desconhecer alguns órgãos de imprensa da cidade, especialmente o mais influente. Daí o resultado pífio dos acordos fechados nesse e em outros reparcelamentos.
COBRANÇA (II)
Na mesma sessão em que Chinão Ruiz fez essa cobrança, um dos integrantes da tropa de choque do prefeito, Ricardo Barbosa, criticou com veemência os Refis que são feitos pela Municipalidade, pois segundo ele, transformaram-se em penalização aos bons pagadores. Não deixa de ter razão. Mas na hora de votar o projeto que instituiu o Refis, aprovou sem discutir. Ou seja, o discurso, na prática, é outro. O que também não deixa de ser um ‘filme velho’, já visto nas últimas duas décadas. Bate contra a propositura, mas assopra na hora de votar.
ASSESSORES (I)
Todo mundo sabe, todo mundo vê. Os gabinetes dos vereadores em Mairiporã vivem lotados, diariamente, por pretensos assessores. Mas só um é contratado da Câmara. Para acabar com esse ‘faz de conta’, os vereadores, ao invés de pensar só em lombada e título de cidadania, poderiam copiar um vereador da cidade de Penápolis, e apresentar projeto de lei que estabelece regras para o trânsito e permanência desses ‘assessores’ no Legislativo.
ASSESSORES (II)
Claro, não há contrato com a Casa de Leis. Segundo o edil penapolense, o vereador pode credenciar assessores particulares, preencher formulário próprio e realizar seu protocolo regular na Câmara. Caberá ao presidente determinar a expedição de crachá, cumpridas as exigências.
ASSESSOR (III)
Dessa forma, os vereadores ficam mais tranquilos e evitam sobressaltos toda vez que se fala em Ministério Público ou sai notinha nesta coluna cobrando fiscalização nos gabinetes. Quanto aos salários dos ‘assessores particulares’, cada vereador que banque como puder.
ÀS MOSCAS
Das 21 sessões realizadas pela Câmara de Vereadores este ano (já computada a desta semana), em apenas 3 o plenário contava com público satisfatório. De resto, às moscas, e também sem público na internet. Retrato do nosso Legislativo.
CÂMERAS
Algumas notícias veiculadas pela Imprensa Oficial beiram a gozação. Semanas atrás publicaram que a retirada de veículos abandonados das ruas tornou a cidade mais bonita. Semana passada, informaram que a instalação de câmeras de monitoramento no Parque Linear vai dar mais segurança à população. Esse pessoal é de matar… de rir.
SECRETÁRIO
Com a saída de Glauco Costa da Secretaria da Saúde, o novo titular da pasta é Omacir Antônio Bresaneli, graduado em administração hospitalar e saúde pública. É da cidade de Campo Limpo Paulista, onde foi diretor municipal de saúde e político filiado ao PP.
ENTREVISTA
Nas próximas semanas o ex-secretário Glauco Costa vai conceder entrevista exclusiva ao Correio para falar sobre tudo o que esteja relacionado à Saúde no município. A promessa é de que não vai fugir a nenhuma pergunta.
SOLUÇÃO
A ideia de pôr para funcionar o Hospital Anjo Gabriel e transformar o Hospital e Maternidade Mairiporã (HMM) em pronto-socorro, seria a solução ideal para o atendimento médico na cidade e ajudaria a tirar a má fama da velha instituição localizada no centro da cidade. Com estudos bem feitos, planos bem desenvolvidos e gente séria (como a que hoje controla hoje o HMM), é perfeitamente possível tocar as duas instituições. Mas sem politicagem e sem vereador querendo obter vantagens.

Comentários