Coluna do Correio 26/5/2017

FRASE
“As únicas pessoas que se enfurecem ao ouvir a verdade, são aquelas que vivem a mentira” (autoria desconhecida)

ECONOMIA (I)
Reportagem especial publicada nesta edição, sobre a economia gerada aos cofres da Câmara após a decretação do fim da frota, que dava um carro a cada vereador, escancara quanto dinheiro público escorreu pelo ralo nos últimos anos. Um ‘tapa na cara’ da população, que banca os gastos elevadíssimos do seu parlamento. Sem os carros, a redução chegou a mais de 800%. E isso pode ser ampliado se o atual presidente acabar com a farra dos celulares corporativos. Vereador já dispõe de telefone fixo. No caso do celular, cada um deveria usar o seu.

ECONOMIA (II)
Um fato chamou a atenção no site da Câmara, onde podem ser conferidos os gastos de cada vereador. Não há qualquer informação sobre combustíveis relativos ao gabinete da presidência. No mínimo, há que se ter uma explicação. E, de quebra, a falta de dados relativos ao mês de abril.
APROVADA
Com os costumeiros apartados, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) deu parecer favorável à aprovação das contas relativas ao ano de 2014, gestão do prefeito Márcio Pampuri. O TCE recomendou ainda que se fiscalize o processo que corre na Justiça Federal, sobre a transferência dos ativos de iluminação pública. A Prefeitura não assumiu esse serviço. Se obrigada a fazê-lo, vai consumir boa parcela de recursos do seu já combalido orçamento.
PROTELAR
Nos meios políticos é dada como certa a condenação do vereador Marcinho da Serra, que perdeu uma das demandas propostas pelo Ministério Público, em 2016, com sentença já prolatada em primeira instância. O parlamentar recorreu, mas segundo os entendidos, o máximo que conseguirá é protelar o julgamento, através dos ‘intermináveis’ embargos. Há outras demandas contra ele que ainda serão julgadas.
SITE
No site da Câmara, datado de julho do ano passado, ainda consta um comunicado sobre a operação ‘Stellio’, empreendida pelo Ministério Público. Naquela oportunidade o aparato foi digno da Lava-Jato. Investigava-se denúncia de supostas orientações encaminhadas por gabinetes de vereadores, na marcação e realização de exames, consultas e outros procedimentos na rede municipal de Saúde. Esse comunicado já deveria ter sido retirado.
STELLIO
Sobre essa operação, não mais se ouviu falar. Nos meios jurídicos a conversa é que as ações do Ministério Público correm sobre segredo de justiça. A maioria dos vereadores foi ouvida sobre influência na rede municipal de saúde.
REFLEXOS
A derrocada do presidente da República, Michel Temer, que vai ladeira abaixo, não teve reflexos no PMDB local. Ao contrário de outras cidades, em Mairiporã o partido é inexpressivo e conseguiu eleger um vereador, nas eleições do ano passado, por conta da malfadada coligação, sem o que os peemedebistas seguiriam sem representação no Legislativo local. O partido vivenciou seu auge como protagonista na cidade nos tempos em que estava sob o comando da ex-vereadora Maria Zeza Gomes de Oliveira. À época, o partido chegou a mobilizar mais de 4 mil filiados numa convenção para escolha dos membros do Diretório Municipal.
BICO FECHADO
A bancada do PSDB na Câmara de Mairiporã não piou sobre o presidente nacional do partido, Aécio Neves, ter sido acusado de receber ‘amigavelmente’ R$ 2 milhões dos donos da Friboi. Com quatro representes, de um total de 13, a tucanada está de bico fechado.
ENTRE AMIGOS
Diferentemente do que ocorre em outras câmaras municipais, em que as discussões acaloradas são frequentes, em Mairiporã a composição legislativa optou por não discutir coisa alguma. Uma verdadeira ação entre amigos. Quem perde é a sociedade.
ALHEIOS
A grave crise política que tomou conta do País parece não ter chegado aos vereadores da cidade. As sessões são recheadas de ‘perfumaria’ e nenhum comentário sobre o cenário político foi feito até agora. Os edis estão levando a sério a decisão de não se falar em problemas. Mairiporã está livre de complicações. Pelo menos na visão de seus representantes.
COMISSIONADOS
Se a Câmara Municipal pensa em criar novos cargos para funcionários comissionados, o desejo não vingará. O Tribunal de Justiça de São Paulo está vasculhando todos os parlamentos municipais e determinando que os que ‘excedem’ a necessidade sejam sumariamente demitidos. No Legislativo local cada vereador tem um assessor. E o parlamentar que sonha em ‘dar um jeitinho’ através de algum deputado, também pode sepultar a ideia. O Tribunal de Contas do Estado está de olho na farra de comissionados.
CONSTATAÇÃO
Nos círculos políticos parece não haver dúvida sobre a atual composição legislativa de Mairiporã: é a pior da história. Há de tudo um pouco nesse quadro, com adversários e até alguns inimigos de ontem, agora no papel de amiguinhos, uns que não sabem absolutamente nada da função, outros ainda sem conhecer como funciona o parlamento e os seis reeleitos, que seguem com os mesmos vícios de dois ou três mandatos anteriores. Pobre Mairiporã.
CARIMBADAS
Algumas figurinhas carimbadas, dentre as muitas que apoiaram a candidatura do atual prefeito, ficaram de fora do baile. Durante a campanha andavam de braços dados percorrendo a cidade e ‘vendendo’ facilidades em troca de votos. Dentre esses, dois ex-vereadores que eram dados como certo no primeiro escalão. Na hora ‘h’ sobraram. Curiosamente, dois ex-presidentes da Câmara.
ARRENDAMENTO
Corre pela cidade a informação que o prefeito arrendou algumas das instalações do Clube de Campo, sem dados sobre valores, para nela instalar a Secretaria de Esportes ou lá fazer funcionar alguns setores do órgão. Estaria a Prefeitura pagando mais um aluguel, dos muitos e caros que já paga?
DEPUTADO
A diferença entre ter um deputado eleito pela cidade e aventureiros que aparecem de quatro em quatro anos está nos benefícios que o primeiro destina aos seus redutos. Cidades da região vivem um excepcional momento em obras, serviços e recursos financeiros, por conta do deputado Edmir Chedid. Mairiporã, por sua vez, segue no desvio, pois deu apoio a deputados que não se lembram que a cidade existe. Será que a lição será aprendida no ano que vem?
SINDICATO
O Sindicato que representa os servidores públicos municipais fez circular um tabloide de nome ‘Avante’, em que informa sobre assuntos de interesse dos seus filiados. Sobre os 4% de reajuste da inflação, referentes a 2015, que o ex-prefeito e o atual não pagaram, relatou que a questão está agora nas mãos do Judiciário. A luta pelo restante do reajuste relativo a 2016, que foi 32% menor do que a inflação verificada, terá prosseguimento, segundo o Sindicato.
NA LISTA
Pelo menos quatro dos deputados eleitos com mais votos em Mairiporã, aparecem na relação de repasses da JBS na campanha de 2014. E tiveram, em Mairiporã, padrinhos fortes que foram eleitos no ano passado para a Câmara e Prefeitura. O dinheiro dado pela JBS (sem direito a picanha) variou entre R$ 200 mil e R$ 350 mil.
UBER
A cidade conta com pelo menos dez veículos que realizam o serviço de Uber. Mesmo na surdina, e só com propaganda boca-a-boca, muitas pessoas já usam esse serviço de carro de aluguel em substituição aos táxis.
GUINCHO
Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa de São Paulo vai apurar e investigar cobranças abusivas de taxas diárias nas cidades que terceirizam o pátio de apreensão de veículos. A apuração envolve também eventuais acordos prejudiciais à população com prestadores de serviços de guincho. Quem está nessa seara, pode colocar as barbas de molho.

Comentários