Afetada pela crise em 2016, classe ‘C’ é a única a se recuperar no consumo

A CLASSE C, a mais afetada pela crise econômica e a alta do desemprego em Mairiporã no ano passado, conseguiu se recuperar e a estimativa de consumo para este ano é 32,7% maior na comparação com o ano passado. Na comparação com 2016, os 13,2 mil domicílios dessa classe vão consumir R$ 157,4 milhões a mais, de acordo com o estudo IPC Maps, realizado anualmente pela IPC Marketing Editora.
“A classe média, em especial a que mais ascendeu recentemente, conseguiu recuperar, mesmo afetada pelacrise”, disse Marcos Pazzani, coordenador da pesquisa. Para os empresários mairiporanenses esse dado, de certo modo, era esperado, mesmo não existindo a criação de empregos formais, mas de certo modo registrou evolução na capacidade de compra da população.
Segundo eles, essa recuperação ocorre tanto no consumio familiar quanto no investimento empresarial.
Classes – Por outro lado, as classes B e D e E, cairam no consumo, com previsão de queda de 9,3% para a primeira e 3,1% para a segunda.
Na fatia mais rica da população, a classe A, também as previsão também são de perdas na cidade, representando 13,8% do consumo, contra 14,3% no ano passado. Naquela oportunidade os gastos 
Ranking – De acordo com o IPC Maps, Mairiporã melhorou suas posições nos dois rankings: estadual e nacional. No Estado, passou da 322ª posição no ano passado, para a 313ª agora em 2017.

Comentários