Taxa de inscrição para o Enem deste ano fica mais cara

O MINISTÉRIO da Educação publicou esta semana no Diário Oficial da União as novas diretrizes para o Exame Nacional do Ensino Médio  (Enem 2017), que neste ano será aplicado pela primeira vez em dois domingos, nos dias 5 e 12 de novembro.
A taxa de inscrição para realizar o exame sofreu reajuste de mais de 20%, passando dos R$ 68 da edição do ano passado para R$ 82 no Enem 2017. As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio serão abertas às 10h do próximo dia 8 de maio e vão até as 23h59 do dia 19 de maio, sempre pelo site oficial do exame.
As modificações promovidas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pela aplicação da prova, foram anunciadas há um mês.
Confira abaixo as alterações, ponto a ponto: Datas – A partir de agora, o Enem passa a ser aplicado em dois domingos seguidos, e não mais em um único fim de semana. Redação – A redação passa a ser realizada no primeiro domingo, juntamente com as provas de linguagem, código e suas tecnologias e ciências humanas e suas tecnologias, com duração de 5 horas e 30 minutos. No segundo domingo serão realizadas as provas de matemática e ciências da natureza e suas tecnologias, com 4 horas e 30 minutos de duração. Certificação – O Enem deixa de certificar o ensino médio, o que volta a ser feito pelo Exame Nacional de Certificação de Jovens e Adultos (Encceja), que é o exame adequado para esse fim, em uma parceria com estados e municípios. Segurança – Os participantes receberão cadernos de questões personalizados (identificado com seu nome e número de inscrição), juntamente com os cartões de resposta encartados na prova, com seu nome e número de inscrição. Até 2016, os participantes recebiam o cartão de resposta separado da prova e faziam a identificação com a cor de sua prova. A novidade dos cadernos personalizados reforça a segurança dos quatro cadernos diferentes e identificados por cores.
O Enem 2017 terá seu resultado divulgado em 19 de janeiro de 2018 e continuará oferecendo resultados por área de conhecimento, individual de cada participante e da base consolidada para uso nos programas governamentais Sistema de Seleção Unificada (Sisu), Financiamento Estudantil (Fies) e Universidade para Todos (ProUni), entre outros. Mas não haverá mais resultado do Enem por escola. O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) do ensino médio passará a ser universal e não mais amostral para escolas públicas e privadas. Isso permitirá o cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por escola. (Com Mariana Leal/MEC)

Fonte: inep

Comentários