Coluna do Correio 18/3/2017

FRASE

“Fosse deixado a mim decidir se deveríamos ter um governo sem jornais ou jornais sem um governo, não hesitaria um momento em preferir este último.” (Thomas Jefferson, ex-presidente dos EUA)

 

EXPLICAÇÃO?

O vereador Ricardo Barbosa (PSDB) tentou responder, em nome do prefeito, a reportagem do Correio acerca da transformação do Hospital Anjo Gabriel em depósito da Prefeitura, que indignou a população. Se ensaiou o discurso com o alcaide, ele saiu pior que a encomenda. O parlamentar justificou a utilização do local como depósito para que a Prefeitura economizasse com o aluguel de um imóvel que servia a essa finalidade. Não teria sido melhor ficar de boca fechada? Existe alguma desculpa para o que foi feito? Se era para dar essa desculpa esfarrapada, o vereador deveria fazer como fez seu chefe, o prefeito: fingir que o assunto não era com ele. Mais dois ou três vereadores, do bloco ‘puxa-sacos do prefeito’ também falaram sobre o assunto.

É DOSE!

Se um Ricardo já era dose, imagine três, na mesma legislatura.

REPERCUSSÃO

Continua repercutindo em toda a cidade a questão relativa ao nepotismo praticado pelo governo Aiacyda, que mantém em seu primeiro escalão o filho (secretário de Obras) e a esposa (secretário de Desenvolvimento Social). Tivesse o prefeito um mínimo de visão política, já teria solucionado essa questão. Como a teimosia é uma de suas principais características, prefere submeter os familiares às críticas. Se sonha em dar um futuro político ao filho, Aiacyda parece disposto a enterrá-lo desde agora.

NA MIRA

Não se sabe se a informação é oficial, mas tem gente que jura de pé junto que o genro do prefeito é dado a visitas semanais ao Paço. O que vai fazer lá ainda não se sabe. Mas tem-se uma ideia. Por isso mesmo já foram feitas representações junto ao Ministério Público, que está de olho nessas visitas. Se confirmadas, farão com que o prefeito se explique, já que o genro não é funcionário no serviço público de Mairiporã, mas em outra cidade.

À ESPERA

É voz corrente nos meios políticos que o primeiro suplente do PSD, vereador Marcos do Táxi, se prepara (com direito a terno estalando de novo) para assumir a cadeira do hoje titular Marcinho da Serra. Pelo menos é a informação que corre na rádio peão da Câmara. Como se sabe, o vereador Marcinho perdeu uma ação proposta pelo Ministério Público local e entrou com embargos em instância superior. Ao que parece o suplente sabe mais do que os meios políticos. Há quem garanta que o taxista já teria inclusive conversado com o prefeito sobre uma futura convivência.

MAIS GENTE

Pelo que se comenta na Câmara, há mais de um vereador que diariamente abriga em seu gabinete gente que não é funcionário do Legislativo e que passa o dia inteiro nas dependências do Palácio Tibiriçá. O Ministério Público precisa dar uma incerta no local, pois se esse pessoal está lá de segunda a sexta, quem está pagando os salários dessa gente. Vozes roucas dizem que pode estar havendo o famoso ‘fifty fifty’ ao final de cada mês. Será?

SUPERIOR

Em várias cidades as Câmaras começam a cobrar do Executivo que a nomeação de secretários municipais tenha como uma das condições o nível superior do postulante. Por aqui a regra parece que não vale. Tem gente nomeada que passou longe da faculdade.

SITE

Além dos leitores do jornal impresso, o Correio conta com milhares de interessados em ler as notícias de Mairiporã e região através do site do jornal. Conforme registros eletrônicos, só em fevereiro foram 32.450 visualizações das matérias publicadas no jornal impresso. Neste mês de março, até sexta-feira (10) as páginas do Correio, diante dos descalabros cometidos pela administração municipal, foram lidas em 17.670 acessos. Como formador de opinião o jornal registra a procura diária de cerca de 80% dos mairiporanenses que têm interesse em informações, conforme pesquisas recentes.

FORÇA-TAREFA

O primeiro escalão da Prefeitura passou boa parte da manhã de sexta-feira (10) mobilizado no Palácio Tibiriçá, para estudar a possibilidade de medidas judiciais contra o jornal por conta da reportagem sobre a transformação do Hospital Anjo Gabriel em depósito da Prefeitura. Com Aiacyda é assim que funciona. Ao invés de explicar o que fez de errado, prefere partir para o ataque a quem julga estar lhe prejudicando.

PROCESSO

Não se sabe o resultado dessa mobilização, mas se o burgomestre chegar à conclusão que deve processar o jornal, que não passe vontade. Faça-o. O jornal já sofreu inúmeros processos por defender os interesses da população e denunciar os mal feitos contra o patrimônio e o dinheiro públicos.

SECRETÁRIO

O secretário da Saúde, Glauco Costa, está no emprego errado. Esta semana ele disse que, ao aceitar o cargo, teria dito ao prefeito que não faria política na pasta, que não aceitaria essa prática. Ficaria no cargo apenas como gestor. Glauco deveria deixar a secretaria, pois o que mais se faz por lá é política, e quase sempre em favor dos aliados.

CONCURSO (I)

Comenta-se nos bastidores da Câmara que está sendo preparado um edital para realização de concurso público. O objetivo é ampliar o quadro de servidores efetivos e, a partir daí, abrir espaço para também ampliar o número de comissionados nos gabinetes dos vereadores.

CONCURSO (II)

A Câmara possui hoje, de acordo com o seu Portal da Transparência, 56 funcionários entre efetivos e comissionados. O número é muito mais do que precisa o Poder Legislativo para funcionar. Os gastos com a folha de pagamento por mês chegam a R$ 363.377,03. Sem contar os encargos trabalhistas. A questão é uma só: a Câmara precisa realmente de mais funcionários ou os vereadores é que precisam ajeitar apadrinhados em seus gabinetes?

SUPERIOR

Vereadores seguem mantendo em seus gabinetes assessores comissionados que não possuem ensino superior completo. Como também não observam se eles têm capacitação profissional para a função que desempenham. Mais um trabalho para o Ministério Público, pois somente pessoas com nível superior completo podem ocupar cargos de livre provimento (sem concurso público). A ordem também emana do Tribunal de Contas do Estado.

OAB

A seção local da OAB tem buscado informações junto à Câmara e à Prefeitura sobre o total de comissionados, num trabalho de suma importância na defesa dos interesses da administração pública.

ELEIÇÕES (I)

A um ano e meio das eleições de 2018, partidos e pretensos candidatos já articulam a montagem de chapas para a eleição de deputado e com isso mexem as peças do xadrez com vistas a 2020, nas eleições ao Palácio Tibiriçá.

ELEIÇÕES (II)

O eleitor de Mairiporã, cujo repertório de bobagens parece interminável quando o assunto é eleição, precisa mudar. Em 2014 quase 5 mil votos foram dados a dois candidatos, que tinham como cabo eleitoral o atual prefeito. Passados três anos, nenhum deles sequer pisou na cidade nem se lembrou de enviar algum recurso, por menor que fosse. Está na hora de acabar com essa picaretagem, pois quem se beneficiou foi o próprio Aiacyda. A cidade, como sempre, ficou a ver navios.

ELEIÇÕES (III)

Espera-se, desta vez, que o prefeito não tenha a cara de pau de vir a público oferecer nomes de deputados para receber votos da população. Seria o cúmulo do cinismo.

ELOGIOS

Quem tem se destacado nos trabalhos legislativos é o vereador Wilson Sorriso (PSC), que tem como padrinho político o ex-vereador Aladim. O parlamentar tem sido elogiado por sua performance não só durante as sessões, mas também pelo trabalho que realiza junto à população. Tanto no gabinete, quanto nas ruas, tem merecido destaque. Foi o único a condenar, na sessão da última terça-feira, o uso do novo hospital como depósito.

Comentários