Consumidor deve ficar atento a reajustes de planos de saúde em 2021

O REAJUSTE dos planos de saúde, que ocorreria em agosto deste ano, foi suspenso por determinação a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), em razão da pandemia do coronavírus. Esse congelamento termina no final deste mês e em janeiro de 2021, ainda com pandemia crescente e a economia tentando se recuperar, os reajustes vão ser aplicados.

O índice máximo que pode ser aplicado pelas operadoras, autorizado pela ANS e que vale para planos individuais regulamentados (contratados a partir de 2/01/1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98), é de 8,14% e deverá ser recomposto em 12 parcelas, mediante informação descritiva nos boletos de cobrança. Estão sujeitos à aplicação desse percentual cerca de oito milhões de usuários (17% do total de beneficiários).

O reajuste máximo refere-se ao período de maio de 2020 a abril de 2021 e observou a variação de despesas assistenciais entre 2018 e 2019, período anterior à pandemia. A expectativa é que para 2021 haja uma variação para baixo, já que houve redução no número de atendimentos, como cancelamento de consultas, cirurgias eletivas e exames não emergenciais.